Apelido ‘Amigo’ em planilha é Lula, diz Marcelo Odebrecht a juiz Moro | Piripiri 40 Graus | Noticias de Piripiri

Apelido ‘Amigo’ em planilha é Lula, diz Marcelo Odebrecht a juiz Moro


Marcelo Odebrecht, ex-presidente da construtora, confirmou nesta segunda-feira em depoimento ao juiz Sergio Moro que o apelido “Amigo” citado nas planilhas em que a empreiteira registra doações a políticos é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O depoimento é o primeiro dado pelo empresário na condição de delator a Moro, mas ele já havia confirmado em dezembro do ano passado, ao falar à força-tarefa da Operação Lava Jato, que Lula havia recebido dinheiro da Odebrecht.
Em setembro, a Polícia Federal também divulgou relatório de conclusão do seu inquérito que apontava que Lula era o “Amigo” que aparecia na lista – o apelido, às vezes, aparecia com variações como “Amigo do meu pai” e “Amigo de EO”, ambos em referência a Emilio Odebrecht, pai de de Marcelo, que reassumiu a presidência da companhia após a prisão do filho.
Segundo a PF, o ex-presidente teria recebido 8 milhões de reais de uma “conta-corrente” da propina, como classificou a corporação, pagos entre o fim de 2012 e ao longo de 2013. Segundo o Jornal Nacional, da TV Globo, o valor citado nesta segunda-feira a Moro é de 13 milhões de reais. Parte do valor teria sido usada para comprar um terreno para abrigar a sede do Instituto Lula.
O ex-ministro Antonio Palocci, de acordo com Marcelo, seria o responsável pelos repasses do dinheiro. Ainda segundo o Jornal Nacional, no depoimento de hoje, Marcelo confirmou que “Italiano” era o apelido de Palocci na planilha e que outro ministro dos governos petistas, Guido Mantega, era o “Pós-Itália”.
No depoimento, Marcelo confirmou tudo o que já havia dito à força-tarefa da Lava Jato e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), durante as audiências do processo que analisa a cassação da chapa formada por Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB).
O depoimento de Marcelo deveria ter sido sigiloso, mas parte do conteúdo foi vazado para a internet ainda com o interrogatório em andamento, o que gerou reclamação de Moro. Na sala, havia 26 advogados, além do juiz e representantes da Polícia Federal, do Ministério Público e do Judiciário.
Defesa

Em nota, o Instituto Lula negou as irregularidades e disse que a sede da entidade “funciona em uma casa adquirida em 1991 pelo antigo Ipet, que depois seria Instituto Cidadania e depois Instituto Lula. O instituto jamais teve outra sede ou terreno”, diz.

“O ex-presidente Lula teve seus sigilos fiscais e telefônicos quebrados, sua residência e de seus familiares sofreram busca e apreensão há mais de um ano, mais de 100 testemunhas foram ouvidas em processos e não foi encontrado nenhum recurso indevido para o ex-presidente”, continua a nota do instituto, que diz ainda que “Lula jamais solicitou qualquer recurso indevido para a Odebrecht ou qualquer outra empresa para qualquer fim e isso será provado na Justiça”.
Ainda na nota, o instituto afirma que “Lula não tem nenhuma relação com qualquer planilha na qual outros possam se referir a ele como “amigo”, que nem essa planilha nem esse apelido são de sua autoria ou do seu conhecimento, por isso não lhe cabe comentar depoimento sob sigilo de Justiça vazado seletivamente e de forma ilegal”.
Os ex-ministros Mantega e Palocci também negam a acusação. Palocci está preso em Curitiba.
Com informações da VEJA.com

Notícias Relacionadas

Política 6319930070390308348

Postar um comentárioDefault Comments

emo-but-icon

Pesquisar

Facebook

Parceiros

item