Troca de farpas ENTRE SECRETÁRIOS: Kleber Montezuma critica o secretário Fábio Abreu e diz que não há segurança na capital | Piripiri40Graus

Troca de farpas ENTRE SECRETÁRIOS: Kleber Montezuma critica o secretário Fábio Abreu e diz que não há segurança na capital

O secretário Municipal de Educação, Kleber Montezuma, fez duras criticas ao secretário Estadual de Segurança Pública, Fábio Abreu, durante entrevista no Jornal do Piauí desta terça-feira (4).
Kleber Montezuma, que estava ao vivo pela TV Cidade Verde, revelou que foram registrados pelo menos 500 assaltos a escolas municipais nos últimos quatro anos em Teresina. Para Montezuma, a Secretaria de Segurança 'não tem um planejamento para a cidade".
"O que acontece em Teresina é uma verdadeira falta de planejamento do ponto de vista da Segurança Pública. Nós temos uma ausência completa, total e absoluta no que diz respeito a planejamento de Segurança Pública na cidade. Esses assaltos que nós tivemos nas escolas de Teresina, da prefeitura, não tem nada a ver com vigia, absolutamente nada, porquê em 2013 mais de 100 roubos aconteceram na escolas e tinha vigia. E quando tem vigia ele é o primeiro que se esconde, e ele tá certo. Em 2014 foram quase 200 assaltos e tinha vigia. É o primeiro que se esconde e repito que ele está certo", desabafa o gestor.
O secretário provoca diretamente o Secretário de Segurança, Fábio Abreu, afirmando que a Polícia tem conhecimento até de quem seriam os possíveis autores dos repetidos crimes a escolas da capital. E que o que provoca a repetição dos crimes seria a impunidade, pois segundo ele, todos são menores de idade. Ele cobra um posicionamento firme do secretário para que dê esclarecimentos sobre os crimes.
"Há relação direta é com a impunidade porquê esses assaltantes que roubam nas escolas da prefeitura e do Estado são quase todos menores de idade e eles estão buscando coisas para vender para um atravessador no próprio bairro para pegar o dinheiro e comprar pedra de craque. A Polícia sabe quem faz o assalto, que é menor, sabe nome de pai e da mãe os receptadores. A Polícia também sabe quem são os fornecedores de pedras de crack no bairro. Isso está tudo mapeado. O que falta é a sociedade se indignar por que ele é menor ele tem passaporte livre pra fazer isso. É importante a gente saber o secretário de Segurança Pública tem a dizer sobre esses assaltos. Sobre as pessoas que fazem os assaltos sobre quem recepciona e sobre os traficantes - não é o secretário de Educação que vai dar conta disso não quem dá conta de roubo e de assalto é a Secretaria de Segurança Pública do Piauí", declarou Kleber.
Custos
Em cálculo estimado pelo próprio secretário, baseado no último assalto registrado a uma escola do bairro Vila Bandeirantes, a Semec gasta em torno de R$ 5 mil para repor o que é roubado. Ele estima que essa conta é multiplicada pelo número de assaltos que acontecem em um ano, uma média de 100. "Esse dinheiro da reposição ele poderia estar sendo investido nas escolas  e o que eu acho muito mais sério do que o assalto e o valor do assalto é o silêncio da secretaria de segurança Pública do Piauí, porquê ela sabe quem rouba quem faz a receptação e é preciso que haja um mutirão e a justiça precisa ajudar nisso porquê 99,99% dos que fazem isso são menores de idade, tem que haver uma punição tem que haver uma atitude porquê se não nem a igreja funciona e nem nada mais", voltou a criticar.
Kleber Montezuma apontou ainda a necessidade da instalação da cerca chamada concertina, que já foi instalada no muro de algumas escola, e é usada na proteção de penitenciárias do Estado. Para ele, o uso deste arame reforça ainda mais a situação crítica das escolas. "Eu estou com vergonha das escolas que a gente subiu um muro - colocou umas garras de ferro e agora nós utilizamos a concertina que é usado para as penitenciárias. Eu se fosse Secretário de Segurança do estado do Piauí ficaria com vergonha também", finalizou.

SECRETÁRIO REAGE AS CRÍTICAS:

O secretário Estadual de Segurança Pública, Fábio Abreu, reagiu às críticas feitas pelo secretário municipal de Educação, Kleber Montezuma, em entrevista ao Jornal do Piauí desta terça-feira (04). Fábio Abreu afirma que Kleber não participou de nenhuma das audiências, as quais foi convidado, para contribuir na elaboração do Plano de Segurança, que ele alega não existir para a cidade. Fábio acrescenta ainda que a Secretaria de Segurança divulgará dados que provam que o número de assaltos a escolas aumentou depois da retirada dos vigias pela Semec.
"Eu sei que realmente não existia um planejamento, pois estamos finalizando o plano Estadual de Segurança Pública, mas ele como gestor foi convidado para participar desse plano e não compareceu. Foram duas plenárias realizadas em Teresina e no interior, a última no dia sete de junho e ele não apareceu a nenhuma. Outro ponto importante é que Policial Civil não é vigia de escola. Ele trabalha para o policiamento ostensivo e de urgência e eu provo a ele que a partir do momento que ele tirou os vigilantes das escolas foi que surgiu o aumento dos assaltos", enfatizou Fábio Abreu.
O secretário de segurança defende que a culpa final pelos ataques é a própria educação municipal. O gestor avalia que existe uma "ineficácia do sistema educacional básico". "Ele falhou na educação em não transformar esse pessoal em marginais e isso é uma responsabilidade da prefeitura. Eu acho que ele como educador e gestor da Secretaria devia propor uma reeducação desses menores que é uma atribuição da prefeitura. Ele deve procurar esse menor não com visão punitiva, não é simplesmente lavar as mãos e dizer que a culpa é de alguém. A culpa é de quem falhou no processo educacional. É prefeitura, é secretário de Educação e se houve essa falha que ele participe do processo", completa Fábio Abreu.
Quanto ao comentário feito por Kleber Montezuma, de que como gestor da Segurança ele teria vergonha de ver as escolas usando concertinas, arame utilizado em penitenciárias, Fábio Abreu responde afirmando que a vergonha deve ser de quem falhou na prevenção. "Essas pessoas não vêm de marte. Eles são oriundos da falha na educação básica. Eles não chegaram sequer a educação infantil. Ele esqueceu que a responsabilidade dele é com a criança e com uma péssima educação não vamos ter isso mesmo", reforça.
O secretário de Segurança Pública informa que convocou o major Marcos Vinícius,  Comandante da Companhia Independente de Policiamento Escolar, e orientou que fossem realizadas rondas escolares não somente em escolas estaduais, mas que fossem estendidas às municipais. "Esse é o policiamento correto que é filosofia em qualquer lugar do mundo. O policiamento ostensivo nós fazemos, agora vigia de escola, os nossos soldados não serão", pontua.
O secretário completa afirmando que Kleber Montezuma ficará de fora do planejamento de Segurança, ao qual já foi convidado e recomenda ainda que o gestor procure se esclarecer melhor sobre a estrutura interna da prefeitura. "Acho que falta conhecimento a ele que a prefeitura tem uma Guarda Municipal. Se for o caso procuro o estatuto para ele ler e ele cobrar da própria guarda a proteção dos prédios públicos incluindo colégios. Ele não participará mais do planejamento de segurança pois se ele não participou de duas tratativas, se eu fizer três, quatro ele não vai participar. Ele precisa se esclarecer melhor na estrutura interna da própria prefeitura para não jogar as responsabilidades dele para os outros. Estou pronto para assumir as minhas responsabilidades", finalizou Fábio Abreu.
Troca de farpas
O secretário Municipal de Educação, Kleber Montezuma, foi falar sobre assaltos as escolas municipais e atacou a política de segurança do secretário Fábio Abreu. Segundo Montezuma, não existe planejamento na cidade para combater a violência. Fonte: cidadeverde.com. 

Notícias Relacionadas

Política 8973127219471098910

Postar um comentárioDefault Comments

emo-but-icon

Facebook

Parceiros

item