86 99924-3051


Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna

Policial que efetuou disparos que mataram Emilly é exonerado



O Governo do Estado exonerou o policial Aldo Luís Barbosa Dornel, acusado de efetuar os disparos que levaram à morte a menina Emilly Caetano Costa, de 9 anos, por volta da meia-noite do dia 25 de dezembro de 2017, durante uma abordagem mal-sucedida na Avenida João XXIII.

A informação foi confirmada pelo secretário de Governo, Merlong Solano, por volta das 13h45.

Segundo o coronel Carlos Augusto, comandante-geral da PM-PI, também foram exonerados outros três policiais que tinham sido reprovados no exame psicológico do concurso realizado pela corporação - os mesmos que ajuizaram, juntamente com Aldo, uma ação na Justiça para conseguir o direito de realizar as demais etapas do certame.

Aldo Dornel está encarcerado no Presídio Militar, no bairro Ilhotas. De acordo com a coronel Elza Rodrigues, chefe do setor de comunicação da PM-PI, ele deve ser encaminhado para o sistema prisional comum assim que o comandante-geral da PM for notificado pela Justiça.

A coronel Elza esclarece que, mesmo com a exoneração do policial, será mantido o inquérito aberto pela PM para investigar as circunstâncias da abordagem, uma vez que outro policial participou da ação, e há várias questões a serem elucidadas.

Aldo Dornel e os outros três PMs exonerados nesta quinta-feira conseguiram ingressar na corporação graças a uma liminar deferida pelo juiz Oton Mário José Lustosa Torres, que autorizou os quatro a participarem das demais etapas do concurso, mesmo depois de terem sido reprovados no exame psicológico.

A liminar, contudo, foi revogada desde o dia 6 de setembro de 2016, por uma decisão do juiz Rodrigo Alaggio Ribeiro. Ou seja, os quatro policiais militares permaneceram irregularmente nos quadros da PM por mais de um ano e quatro meses, sem que a corporação ou o Governo tomassem qualquer providência.

A Procuradoria-Geral do Estado alega que não solicitou a exoneração dos policiais antes porque não recebeu a notificação da Justiça.

Para evitar novos equívocos como este, a PGE pediu que a partir de agora todas as decisões judiciais desta natureza sejam comunicadas formalmente ao órgão, responsável pela assessoria jurídica do Governo do Estado.

 

Com informações do Portal O Dia 



Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna Banner Botão Coluna